Skip to content

dinheiro, sucesso, fama e glamour

agosto 6, 2008

Purezinha nasceu no sertão nordestino, filha de pai carpinteiro e mãe esquizofrênica. Cresceu rodeada de momentos trágicos, e alguns felizes, também. Ficou adulta aos oito anos, quando um bêbedo a levou para um beco e rasgou-lhe a inocência. Dali em diante, nunca mais derramou uma lágrima, e prometeu a si mesma que venceria na vida.

Aos quinze anos, já órfã, seguiu para o Rio de janeiro, onde foi abrigada por uma família em troca de serviços domésticos. Não demorou muito até que conhecesse o Centro, onde aprendeu que oportunidades não aparecem duas vezes para a mesma pessoa. Logo, estava trabalhando como garçonete num elegante bordel da Praça Mauá.

Vinte anos se passaram e Purezinha tornou-se dona de todo o meretrício na zona portuária. Jamais se deitou com outro homem, mesmo que fosse por dinheiro. Abominava a idéia de sentir prazer, e tinha nojo só de pensar em atingir o orgasmo. Em sua maison, as meninas só atendiam grandes figurões da sociedade fluminense.

Em uma noite fria, bateu-lhe a porta uma cabrocha diferente, chamada Jurema. Segundo os médicos, tratava-se de uma semi-anã: normal dos ombros pra cima e da cintura pra baixo. O problema era no meio, onde os seios se confundiam com a cintura. Apesar de não ter tronco, até que era bonita.

Com o peito cheio e dó, Purezinha abrigou-a durante um tempo, até que a mesma resolveu se entregar à luxúria. Por mais que a cafetina refutasse a idéia, Jurema mostrou-se irredutível. Queria trabalhar como as outras meninas, para fazer jus ao teto que lhe fora ofertado. Sem saída, a dona do puteiro combinou que ela cobraria meio-programa, já que a concorrência seria devastadora.

Purezinha não contava com o sucesso de Jurema, que chegou a acumular quinze clientes em uma única noite. A notícia espalhou-se, e logo surgiram mais clientes. Em menos de seis meses, já havia expandido seus negócios até Madureira, onde só atendiam meninas cotós e estrábicas.

Por mais estranho que pudesse parecer, o que seus clientes queriam era o inusitado. Purezinha teve uma vida vitoriosa, e morreu feliz, contemplativa. Deixou todo seu império nas mãos de Jurema, que agora só não atendia a chefes de estado. Há quem diga que existem planos de abrir uma filial em Londres, mas por lá as anãs são mais recatadas.

Anúncios
No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: