Skip to content

A cartinha de natal

dezembro 17, 2009

Aquela era a primeira cartinha de próprio punho que Bárbara escrevia ao Papai Noel, e o entusiasmo em fazê-lo era tão cativante que seu pai a filmava com o celular. Assim que entrou para a classe de alfabetização, a menina se divertia com as primeiras letrinhas escapando da ponta do lápis para dançar pelas linhas do caderno. Foram meses e meses de treino, melhorando a caligrafia e colecionando rabiscos. Primeiramente, ela discorreu sobre o fato de ser uma boa menina, mais dois parágrafos foram dedicados ao seu empenho nos estudos, e enfim ela terminou fazendo seu pedido: “Quero um irmão menino e de olhos azuis”

Depois de dar um beijo onde seu nome foi assinado, Bárbara lacrou a carta com um adesivo em forma de coração e a entregou aos pais, que a postariam na manhã seguinte, a tempo de chegar no Pólo Norte antes do Natal. Naquela noite, inspirados pela sensibilidade de sua pequena, Jorge e Lais tomaram as devidas providências para que o bom velhinho não falhasse, fazendo com que o presente chegasse repleto de amor e alegria. Eles já vinham conversando a respeito daquela possibilidade há um bom tempo, e estava mais do que na hora de aumentar a família. Duas semanas depois, a novidade apareceu num palitinho mijado: a menina ganharia seu irmãozinho.

Para não estragar a surpresa, o casal resolveu comprar uma boneca das que imitam bebês, colocando-a embrulhada sob a enorme árvore que piscava na sala. Na manhã seguinte, aproveitando uma distração de seus pais, Bárbara foi futricar naquele estranho presente, que surgira do nada e nem tinha cartão. Virou para um lado, jogou para o outro, até que o brinquedo acionou sozinho e começou o berreiro artificial. Apavorada, a menina pensou que ali houvesse mesmo um bebê e acabou pirando. Como o berreiro não parava mais, ela pegou uma tesourinha de unha e cortou a rede de proteção na janela. Com um pouco de esforço, atirou a caixa pelo buraco e se escondeu debaixo da cama, temendo pelo temível castigo que viria quando descobrissem seu deslize.

Quando Lais notou o rombo na rede e não viu a filha no sofá, um choque correu-lhe a espinha. Procurou-a no quarto, no banheiro e na varanda, mas não encontrou. Aos gritos, chamou pelo marido e debruçou sobre o parapeito, avistando o embrulho caído lá embaixo, em meio aos transeuntes. Por pouco, ela não se jogou também, mas foi salva pelo som do espirro de Bárbara, que era alérgica a poeira. Estavam todos tão nervosos que nem teve bronca, e Jorge nunca se sentiu tão bem por ser negligente na faxina. A boneca foi roubada por alguém que passava pela calçada, e a menina teve que escrever mil vezes que nunca mais atiraria nada pela janela, principalmente seu irmãozinho. Ao menos ela continuaria treinando sua caligrafia perfeita.

Anúncios
No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: