Skip to content

Fé demais não cheira bem

abril 29, 2010

Dona Jura é o tipo clássico de avó: adora uma missa, tricota durante a novela, acorda antes do sol nascer, adula os netinhos, caminha em volta do canal e ainda tem mania de doença. Daí que, neste domingo, depois de ouvir o sermão, acompanhar os batizados e fazer sua doação, ela resolveu se benzer. No que chegou à beira da pia onde estava a água benta, tomou um susto: estava repleta de larvas de mosquito e com uma pixação em vermelho, onde se lia: “cuidado com o berço da dengue.”

Revoltada com tamanha blasfêmia, tentou dar cabo da situação sem alarmar os outros fiéis. Saiu apressada, rumo ao mercadinho, onde compraria solução de cloro para esterelizar o recipiente, e removedor para apagar a blasfêmia. Como só tinha dinheiro para levar um deles, escolheu o que lhe parecia mais urgente. Ao retornar, porém, D. Jura deu de cara com as portas fechadas. Teria de esperar até o dia seguinte para cumprir com suas obrigações divinas? Não, claro que não!

Foi uma tortura, mas ela esperou (impacientemente) o anoitecer. E quando o breu tomou conta daquelas bandas, Dona Jura prosseguiu com sua missão, atirando uma pedra na janela da sacristia ( com todo o cuidado para não quebrar o vidro). Jogou mais uma. Duas, Cinco. O padre, assustado, desceu correndo para ver o que estava acontecendo lá fora. Escondida ao lado da grade, ela aproveitou um descuido do jovem para adentrar o santuário.

Em silêncio, a invasora aguardou mais um pouco e enfim se aproximou da pia blasfemada. Primeiro, trocou toda a água benta e rezou vinte terços. Depois, tirou da bolsa o removedor, e esfregou a pixação vigorosamente com a barra do próprio vestido. Por conta da escuridão,

Não tinha como saber se havia tirado tudo, então prosseguiu na função, até ser derrotada pelo cansaço. No dia seguinte, ao descer para abrir a igreja, o sacristão tomou um susto.

Dona Jura estava caída no mármore gelado, envolta no que parecia ser sangue, que também escorria da benzetório. As primeiras beatas que chegavam também se aterrorizaram, e não demoraram a imagina-la de pé sobre a pia para derramar seus pecados putrefatos na água benta. “Ela mijou sangue em Cristo! Ela mijou sangue em Cristo!”, repetiam como taradas. Meio tonta, a senhora despertou com a gritaria  e deu um pulo.

Bem que ela tentou explicar o acontecido, mas o fervor das carolas a impediu de permanecer ali. Foi atirada rua afora como herege, e sacudida tal qual o Judas que é malhado no sábado de aleluia. Dona Jura tomou ódio daquela igreja, e de todos que a freqüentavam. E só de sacanagem, já que não poria mais os pés por ali, resolveu não contar que tinha deixado um balde explodindo de larvas atrás do confessionário.

Anúncios
6 Comentários leave one →
  1. abril 29, 2010 8:47 pm

    Hahahaha, ai, eu adoro. Beata é beata em qualquer subúrbio. Muito bom.

  2. Luiz permalink
    abril 29, 2010 10:02 pm

    Haaaaaaaaaa! Mto boa! Tem uma vizinha minha que se parece com essa Dona Jura! Tem até a chave da igreja! Hahaha

  3. abril 30, 2010 11:59 am

    Bem isso mesmo. Elas adoram julgar e condenar o próximo. A meu ver ela, dona Jura, só cuspiu pra cima…Falando nisso, esses dias passei por uma igreja muito bonita aqui de Porto alegre e notei que a igreja estava toda cercada com grades. Perguntei pra um morador das proximidades, ele me disse que tinham cercado porque mendigos dormiam ali. Pensei que a casa de Deus fosse de todos…Por que eu to escrevendo isso? Não sei.

  4. abril 30, 2010 7:11 pm

    Se eu te contar a história (verídica) da romaria até Aparecida do Norte, comandada pela Dona Purinha… Nem Dona Jura ia acreditar. 😛

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: