Skip to content

Pocket show

novembro 11, 2007

Quando Tathyza recebeu a notícia de que faria o papel da princesinha na peça do colégio, ficou toda cheia de si! Escolheu, de pronto, o vestido mais bufante, pois queria estar perfeita. Leu o roteiro com atenção, e fez até algumas anotações. Chegou em casa exibindo um enorme sorriso, e pediu a mãe que lhe fizesse uma chapinha nos cabelos. Tinha ensaio no dia seguinte, e assim já estaria incorporando a personagem. Enquanto todo o aparato era ligado, a menina desceu até o pátio da favela, para se provomer. Declamava, com orgulho, alguns trechos da história, gesticulando efusivamente para os vizinhos. Estava tão concentrada em seu próprio espetáculo, que nem ouviu o chamado da mãe, há cerca de dez minutos, avisando que a chapinha estava esquentando. Depois de tanto insistir, a dona de casa acabou perdendo a paciência, e berrou janela afora:

– A chapa tá queeeeeeeeeente, Tathyza!!

E o povo todo correu, embrenhando-se pelos becos, aos trancos e barrancos. Acharam que a polícia estava invadindo a favela e, logicamente, trataram de se esconder. Teve gente entrando em casinha de cachorro, botequim e até bueiro. A pequena Tathyza, estática, levou um puxão de orelha. Como castigo, faria a peça com o cabelo pixaim, nada de chapinha. Mas, no fundo, nem ligou. Sua premiére já havia sido um estouro. Literalmente.

Anúncios
No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: