Skip to content

encontro macabro

fevereiro 13, 2009

Passava de meia-noite quando o telefone de Keyla tocou. Não foi propriamente um susto, pois seu irmão costumava ligar naquele horário, já que as tarifas para interurbanos ficavam mais baratas na madrugada, e podiam conversar sem se preocupar com a conta. Ela, que já estava pronta para dormir, atendeu a ligação em tom de alegria. Do outro lado da linha, entretanto, era seu namorado, Frediney, quem tinha novidades…

“Feliz sexta-feira 13!! Hoje é dia de maratona, madrugada adentro!! Tá preparada?!” – gritou ele, empolgadíssimo. “Já comprei dois hamburgões na Tia Célia e uma Coca de dois litros! Vem pra cá, gata! Agora!” Keyla olhou para camisola que vestia, para a cama pronta e o para edredon que a esquentaria. Pensou por alguns segundos e foi categórica: “Desculpa, gato. Agora não vai dar. Tenho prova logo cedo, e meu pai vai estranhar se eu sair na madruga. Mas a gente pode fazer a maratona à noitinha, ainda vai ser sexta-feira 13…”

Do outro lado da linha, um silêncio incômodo. Frediney havia criado a tradição de assistir a pelo menos dois filmes de terror na madrugada de uma sexta-feira 13, com muita comida, refrigerante e prevaricação. Mas a recusa de Keyla o deixou aborrecido. Aquela data era mais do que especial para ele, não havia justificativa plausível para se desmarcar. Absorto dentro de sua decepção, ele não se conteve: “Pois eu vou me besuntar com chantilly e bater punheta sozinho! Tá me ouvindo?!”

Aquele era o código para Keyla deixar de lado qualquer resistência de lado. Muito contrariada, ela bufou e acabou trocando de roupa. Como o namorado morava duas ruas abaixo, ela nem calçou o tênis, e foi de chinelo mesmo. Chegando lá, encontrou a porta destrancada, como sempre, e entrou. Numa cena típica de comédia pastelão, a moça o flagrou completamente nu, com a porta da geladeira aberta. “Se você acha que a gente ainda vai ver algum filme, pode ir voltando pra casa, Keyla. To bem sozinho, aqui!”

Aquele misto de frustração e raiva a deixou ainda mais excitada. Com seu jeitinho sacana e lépido, ela pulou para cima de Frediney e beijou-o com sofreguidão. Seus corpos entrelaçaram-se no chão da cozinha, derrubando cadeiras e potes de biscoito. Fizeram amor como aquela fosse a última vez e, de fato, era. O pai de Keyla – pastor de uma igreja evangélica e portador de distúrbio bipolar – a seguira até lá. Como a porta estava aberta, observou a tudo, sentindo o asco preso na garganta, e com um facão bem amolado, acabou com a raça dos safados.

Coberto de sangue, ele fez uma oração e depois destrinchou o casal, colocando-os dentro do freezer, em recipientes individuais, higienicamente lacrados. Lavou as mãos na pia do lavabo, limpou o facão com sabão em pasta, orou mais uma vez, e já ia saindo, quando avistou os dvds da série “Sexta-feira 13” sobre a mesinha da sala. Ao perceber do que se tratavam, murmurou para si mesmo, como um velho babão: “Mentirada da porra! Não sei como perdem tempo vendo essas bobagens…”

Anúncios
No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: