Skip to content

bacon, pra que te quero?

abril 28, 2009

Tão logo ficou sabendo da pandemia que vinha do México, D. Rabicolina cintilou. Depois de anos sofrendo em vésperas de festividades cristãs, ela finalmente teria como se vingar pela morte do marido. Estava tão contente que serviu o dobro de lavagem para todo mundo. Na primeira ameaça de temporal, colocou todos os filhotes para fora do chiqueiro e deixou que brincassem à vontade. Poderiam esparramar-se debaixo da chuva, rolar pela lama gelada o quanto quisessem. Que eles ao menos pegassem uma gripe bem forte, para exterminar de uma vez por toda com a humanidade. “Nosso nome é legião, porque somos muitos” – repetia incessantemente. Já que a síndrome da vaca louca, nem a gripe aviária conseguiram chegar a tanto, que os porcos tivessem essa glória. Pela honra de todos os toucinhos que foram torrados em vão… Uma pena que, naquela madrugada, ao ver toda a vara dormindo espalhada pelo quintal, um grupo de lobos tenha se fartado silenciosamente com tão lúdico banquete.

Anúncios
No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: