Skip to content

A devassa da Penha

dezembro 2, 2010

Edilene era uma garota bem assanhada. Desde muito pequena, diga-se de passagem, rodou na mão de toda a gurizada do bairro. Fez a alegria de muitos marmanjos e, orgulhosa, pode dizer que tirou o cabaço de tantos outros. Andava por toda a Penha vestindo top de lycra e shorts bem apertados, mostrando o que a natureza havia lhe dado de melhor: a polpa da bunda e boa parte do rego.

Quando a polícia resolveu invadir a Vila Cruzeiro, deixando os moradores de todo o bairro em desespero, ela caprichou no visual. Caprichosa, besuntou os lábios com um batom vermelho e calçou uma sandalinha rasteira. Desceu o morro com fogo no rabo, e foi logo se metendo no meio do furdunço. Andou por entre os policiais com uma sensualidade que lhe era ímpar, ficou manjando os uniformes suados e, enfim, partiu para o ataque.

Em meio ao tiroteio, Edilene sacou para fora do decote seu suculento par de seios. Eram peitos roliços, de mamilos bem rosados, dignos de contemplação. Como uma louca, correu pelo meio da rua, sacudindo os ombros e os braços. E ria, compulsivamente, tal qual uma pombagira remixada. O povo, perplexo, filmava o escândalo com seus celulares desbloqueados…

Dez minutos depois, lá estava Edilene, presa no camburão do BOPE. Sem dar um pio, ela entrou sorrindo, ainda com os peitos de fora. No lugar de medo, ela exalava um certo prazer em ser mantida ali dentro. O cheiro dos milhares de homens que por ali já haviam passado a levaram ao orgasmo. Foram vários, aliás. Só de pensar no que faria com eles, a safada chegou a tremer.

No fim da operação, Edilene seguiu até a delegacia, deu um depoimento, pediu desculpas ao delegado e foi liberada. Mas ela não se deu por satisfeita. Queria sentir na pele aquele suor encardido, e assim o fez. Com cinco minutos de conversa ela convenceu um grupo de cinco oficiais a leva-la para dentro do Caveirão, onde feita de panqueca e bola de gude. Saiu desnorteada, cambaleando, mas completamente realizada.

Mal sabia, entretanto, que seu video de topless fora um dos mais acessados naquela noite, em toda a internet…

Anúncios
4 Comentários leave one →
  1. dezembro 2, 2010 12:40 pm

    pombagira remixada… essa foi fueda!

    e como uns amigos meus dizem: tem gente que gosta. tem gente que pensa que gosta!

  2. dezembro 3, 2010 7:46 pm

    Hahahaha, ai que saudade que eu tava disso aqui. Tava louco pra ver como você ia falar dessa operação no Rio, sabia que viria coisa boa.

    Passei mal com a pombagira remixada, você não existe Rafael.

    Abração amigo!

  3. dezembro 3, 2010 7:48 pm

    E, ah, adorei o banner novo.

  4. dezembro 5, 2010 2:11 am

    É tenho q concordar com pessoal a pombagira remixada foi uma das melhores coisas q li!!! auhauhuhahua
    A Globo bem q poderia transformar isso num episódio de “As Cariocas” e dar o papel pra nova “atriz” de seu casting, Ellen Roche!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: