Skip to content

A paz que vem do escondidinho

agosto 25, 2012

Dagoberto já estava de saco cheio do casamento, mas não tinha coragem de pedir o divórcio. Ter que sair de casa, comprar nova mobília, pagar pensão: era muito trabalho. Se ao menos a esposa arrumasse um amante e sumisse do mapa… mas nem isso. Como não havia outro jeito, ele apelou.

Deise chegou do trabalho xingando até as plantas, e não queria ver o marido nem fantasiado de Murilo Benício. Surpresa: ela deparou-se com a mesa posta, velas acesas e Kenny G no cd player. Sem entender o porquê de tamanha palhaçada, acabou encontrando Dagoberto na cozinha, com uma travessa quentinha na mão.

Engolindo todo seu azedume, Deise sentou-se à mesa e ficou observando o marido servir o jantar. Sem trocarem mais do que cinco palavras, abriram um vinho e se serviram. Dagoberto estava sorridente, enquanto ela tentava descobrir do que era feito o escondidinho. Deise, enfim, retomou o diálogo: “Tem camarão nessa porra, seu filhadaputa?!

Pois bem:  a megera  tinha alergia a camarões. Como ela não perguntou do que era feito, Dagoberto também não se atreveu a dizer. Ele ficou observando a esposa inchar, até perder os sentidos. Não demorou mais do cinco minutos para ela bater as botas. Se alguém perguntasse, ele diria que ela trouxe o escondidinho da rua.

Dagoberto, enfim, encontrou a paz num caderninho de culinária.

Anúncios
No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: