Pular para o conteúdo

Filho a varejo

abril 27, 2016

Querido Rogério,

Eu estava voltando de uma reunião com os donos de um novo empreendimento quando, já na altura de Madureira, parei num sinal vermelho e vi uma jovem sentada no ponto de ônibus, com cinco crianças a tiracolo. Brincando, perguntei se poderia ficar com alguma delas. Para minha surpresa, ela ofereceu o mais velho, que não ia bem na escola e seu único dom era comer, sozinho, um pote de margarina por dia.

Imaginando que ela entendera se tratar de uma brincadeira, recusei a oferta e apontei para a menina, que vestia um macacão encardido, e disse que gostaria de ficar com ela. Sem a menor cerimonia, ela levantou- se do banco e veio me entregar a criança, já avisando que apesar da aparência frágil e delicada, aquela pequena era um estorvo e só fazia chorar madrugada adentro.

Perplexa, tentei desfazer o mal entendido, dizendo tratar-se apenas de uma brincadeira, mas ela não aceitava devolução. Mandou que eu levasse a menina, e ainda me deu o menorzinho, que sequer tinha largado o peito. Apavorada com a situação, pensei em ligar para a policia, mas cadê que a Tim pegava por aquelas bandas? Quando dei por mim, ela já tinha enfiado todas as crianças no carro e desapareceu.

Sem alternativa, dirigi até uma delegacia e descobri que estavam em greve, por falta de pagamento. As crianças estavam aos prantos no banco de trás e um desespero me subiu pela espinha. Não teve jeito… eu trouxe todos aqui para casa. Todos já estão de banho tomado, assistindo um desenho qualquer na Netflix. O maiorzinho já aprendeu a mexer no iPad e até perguntou se eu era sua nova mãe… confesso que chorei escondida na área de serviço, mas foi de alegria.

Então é isso, querido. Já está decidido! Quando você chegar em casa, hoje à noite, terá uma família completa. Se não for te tirar muito do caminho, tem como passar no mercado e trazer uns cinco potes de margarina (pode ser Becel) e dois pacotes de fraldas descartáveis da Turma da Mônica, tamanho M? A menorzinha é linda, mas parece uma fábrica de churros. (Risos)

Beijos.

Te amo.

Nazareth.

No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: